terça-feira , março 19 2019
Inicio / Destaque / JUSTIÇA RESTAURATIVA

JUSTIÇA RESTAURATIVA

Grupo de Leigos participam do curso de
JUSTIÇA RESTAURATIVA
Núcleo Pastoral de Paz da Diocese de Jataí

 

3 4No último dia 24 de novembro um grupo de leigos, constituído por professores, advogados e assistentes sociais, concluiu o Curso de Justiça Restaurativa, oferecido pela Faculdade Bagozzi – Grupo Educacional – e realizado em 12 módulos no Colégio São José – em Jataí. O mesmo foi uma proposta da diocese, na pessoa do bispo Dom Nélio Domingos Zortea, e que contou com o auxílio e a mediação de uma equipe que já havia realizado o curso como um primeiro grupo formado: Padre Derneval, Ângela Beatriz, Luíza, Maria Aparecida, Márcia Regina, Vilma Feitosa e Zenilda Paniago.
Por Justiça Restaurativa, segundo os artigos 1º e 2º da resolução CNJ nº 225, compreende-se um conjunto ordenado e sistêmico de princípios, métodos, técnicas e atividades próprias que visam a conscientização sobre os fatores relacionais, institucionais e sociais motivadores de conflitos e violência, e por meio do qual os conflitos que geram dano, concreto ou abstrato, são solucionados por meio do diálogo e da participação do ofensor e da vítima, da dinâmica da restauração e do perdão, da interação da família e da comunidade.
Alguns princípios norteiam e orientam a Justiça Restaurativa: a corresponsabilidade, a reparação dos danos, o atendimento às necessidades de todos os envolvidos, a informalidade, a voluntariedade, a imparcialidade, a participação, o empoderamento, a confidencialidade, entre outros. É condição fundamental para que ocorra a prática restaurativa: o prévio consentimento livre e espontâneo, de todos os seus participantes, assegurando a retratação a qualquer tempo, até a homologação do procedimento restaurativo.
Lidar com conflitos é uma necessidade do indivíduo e resolvê-los nem sempre é fácil. Mediar, dialogar, aceitar, perdoar, empoderar, sugerir e restaurar são palavras-chave para um processo restaurativo. A participação e o engajamento das pessoas nas pastorais e movimentos são oportunidades de interação e construção de paz. Em muitas comunidades e dioceses a pastoral carcerária e a pastoral da educação fazem um belo trabalho que além de somar com novas ações e intervenções junto à comunidade, proporcionam uma reflexão pessoal e uma autêntica formação dos que fazem parte do grupo e dos que se deixam inserir nas atividades.
O novo grupo formado estará a disposição para a multiplicação dos estudos e formação nas comunidades da diocese. Em 2019 haverá uma nova turma para preparação e formação e os interessados poderão entrar em contato com a Cúria Diocesana de Jataí.
Nossa gratidão a cada participante e também a toda equipe da Diocese de Jataí e em especial ao nosso bispo, Nélio, pela iniciativa da disseminação da Justiça Restaurativa nas comunidades.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *