terça-feira , março 19 2019
Inicio / Artigos / Despertar para as vocações: “O apoio e a acolhida que abriram portas”

Despertar para as vocações: “O apoio e a acolhida que abriram portas”

padre dDernevalPadre Derneval Pereira Soares completou no último dia 29 de novembro os seus 26 anos de vida sacerdotal. O sacerdote estreou a primeira turma de meninos do Colégio Nossa Senhora do Bom Conselho, em 1972. Até então o colégio funcionava como internato feminino. Do período em que permaneceu no colégio, o religioso se recorda com carinho das festas juninas, gincanas, desfiles de sete de setembro – que eram muito tradicionais na cidade de Jataí – e, principalmente, da presença das irmãs agostinianas: “Sempre alegres, conversando com os alunos e incentivando a todos… Às vezes ficavam bravas também (risos), mas porque era necessário”, comenta.
E foi justamente este contato com as irmãs agostinianas missionárias que o ajudou a despertar a sua vocação religiosa. Na época ele procurou o bispo diocesano, porém faltou um pouco de apoio e incentivo (até porque não havia seminário na Diocese de Jataí). Padre Derneval conta que nasceu em uma família católica praticante e, desde criança, sempre teve o hábito de ir à Igreja, mas foram as aulas de religião e a vivência no colégio que trouxeram à tona o desejo de dedicar-se a vida religiosa e ser padre: “Gostava muito das aulas, das histórias de Santo Agostinho e observava a vida das irmãs e a alegria com que elas viviam. As irmãs perceberam meu entusiasmo e me perguntaram sobre o interesse em me tornar padre e seguir a vida religiosa. Eu disse que gostava muito, mas que não tinha certeza. Elas, então, chamaram um padre para conversar comigo e comecei a participar de encontros vocacionais no colégio e na paróquia”, relata.
Após os encontros vocacionais, padre Derneval seguiu para o seminário em Bragança Paulista – SP. Nesta época, novamente, o apoio das irmãs foi essencial. Além da novidade de ter que, pela primeira vez, se separar de sua família para ir ao encontro de sua vocação, o padre precisaria organizar e montar um enxoval, pois sua família não tinha condições financeiras de providenciar isso e outras coisas. As irmãs se reuniram e, como forma de incentivá-lo, deram-lhe todo o enxoval.
De malas prontas, o padre seguiu para São Paulo e após terminar o ensino médio mudou para Belo Horizonte onde estudou filosofia na PUC – Minas. Depois retornou a Bragança Paulista para fazer o noviciado e mais tarde para cursar a teologia em Belo Horizonte. Sua ordenação aconteceu em novembro de 1992, na capital mineira. Após finalmente torna-se padre, o religioso viveu no Rio de Janeiro, São Paulo e, agora, está novamente em Goiás, na Diocese de Jataí:
“Como padres nos preparamos para estar a serviço do evangelho e sempre prontos para mudar e ir para onde é necessário. Às vezes estamos acostumando com um lugar, achando bom, e é preciso sair, mas já sabemos disso”, observa.
Hoje, após 26 anos de vida sacerdotal e exercendo a vida religiosa, padre Derneval avalia o período em que esteve no colégio agostiniano Nossa Senhora do Bom Conselho como de grande importância em sua vida. Ele destaca que a escola é uma segunda família que orienta em muitos sentidos na escolha da vocação e da profissão, na caminhada na sociedade, na construção dos valores e na formação humana, ética e espiritual. “Ser padre é uma grande alegria e eu agradeço a DEUS por ter me inspirado e de modo especial às irmãs, porque se elas não tivessem me dado essa oportunidade, lá atrás, me ajudado a ir para São Paulo, se elas não tivessem me oferecido apoio, talvez eu não estivesse aqui!”, conclui.padre dDerneval

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *