quinta-feira , junho 22 2017
Inicio / Destaque / MCC: 50 anos integrando o caminho evangelizador da Diocese de Jataí

MCC: 50 anos integrando o caminho evangelizador da Diocese de Jataí

Por Dom Joaquim Carlos Carvalho, OSB

Lá pelo início da década de sessenta, dom Benedito Domingos Coscia, OFM, jovem bispo, entusiasmado com o Concílio Vaticano II, trouxe para a Diocese de Jataí o Movimento de Cursilho de Cristandade. Não só o trouxe, mas o abraçou com firmeza e esperança de que seria um bom caminho para fazer deslanchar a evangelização aos moldes do Vaticano II. E assim foi.

Desta maneira este movimento se espalhou por toda a diocese. No planejamento pastoral anual diocesano se contemplava todos os cursilhos, masculino e feminino, naquele tempo não havia o de jovem, saindo já definido todos os diretores espirituais e os outros dois padres ajudantes. Exatamente isto: sempre três padres em cada cursilho. Isto é impensável para os tempos atuais. E mais – os padres da diocese eram incentivados a fazer o cursilho, pois só trabalhava no mesmo, aqueles padres que o haviam feito. E para ser diretor espiritual de um cursilho? O padre deveria ter ajudado em alguns cursilhos e ter demonstrado conhecimento, seriedade e gosto pelo movimento. Lembro-me muito bem que eu gastei um bom tempo até ser escolhido diretor espiritual de um cursilho feminino em Mineiros. Eram três dias inteiros e com tempo integral, em sistema de internato.

Outro valor muito forte era a seriedade e profundidade nos Rollos, como eram chamadas as mensagens naquele tempo. Aos Rollhistas era exigido profundidade e desenvoltura, pois não bastava transmitir um conteúdo, era preciso crer naquilo que se falava. Então, não era um favor que se fazia, mas uma partilha de fé e de amor a uma Igreja que se faz presença em cada lugar onde um/a de seus/as filhos/as está. Este Valor é cultivado e estimulado até o presente no coração do movimento.

E o tempo de duração de cada Rollo? Como hoje, já vinha demarcado. Mas, com o passar do tempo, era “chique” quem extrapolasse este tempo. E a concorrência para ver quem extrapolava mais ficou evidente. Este foi um vício que demorou ser extirpado com firmeza. Ao Rollo Sacramentos era dado um tempo com gosto: quatro horas de duração. Isto mesmo: quatro horas de duração sem levantar da cadeira. Era responsabilidade do diretor espiritual do referido cursilho dar este rollo. Impensável para os dias de hoje. Mas dependia muito do padre rollista. Lembro-me perfeitamente quando eu fiz o cursilho em 1979 em Campo Grande-MS. O Padre falou de cada sacramento com tanto entusiasmo que literalmente não percebi o tempo passar. Este rollo era dado no sábado das 8 até as 12horas.

Outra característica dos cursilhos daquela época era a emoção. E põe emoção nisso. Era choro o tempo todo, tanto fazia se era cursilho feminino ou masculino. Chorava-se com gosto.

O cursilho movimentou a Diocese de Jataí toda. E os encerramentos? Era uma festa com muita afluência de pessoas de toda a diocese. Os leigos viajavam sem reclamar, pois, era importante dar o testemunho do quarto dia com entusiasmo.

O tempo passa, valores mudam, a Igreja se adapta e o MCC também acompanhou estas transformações e fez as necessárias adaptações.

Hoje o MCC prima por uma evangelização forte dos ambientes, continua insistindo na importância de ser Igreja e Igreja em saída e misericordiosamente vivida. Hoje também o movimento é realizado por distritos e não mais em âmbito diocesano. Os padres de um distrito raramente ajudam cursilho de outro distrito e nem os leigos de um distrito fazem o cursilho e nem participam do encerramento em outro distrito. Excetuando, creio, os jovens. O surgimento do cursilho para jovens foi uma riqueza, uma bênção de Deus. Tão bom seria se os jovens levassem o movimento às faculdades que aumentam em número em toda a Diocese. Evangelizar é nossa vocação de cristãos/ãs.

Durante todos esses cinquenta anos ajudando na evangelização da diocese, os leigos que passaram pelo movimento, mostram-se sempre muito solícitos, cooperadores, disponíveis em suas paróquias. São pessoas que se pode contar com elas para os eventos paroquiais. Esta é uma característica louvável do movimento.

Parabéns a todos os integrantes deste movimento e continuem firmes na construção de uma Igreja cada vez mais simples, com fé vibrante, amorosa e solidária. Parabéns aos/as cursilhistas desta amada Diocese de Jataí. Cristo continua contando com você.

2494133871-dom-joaquim-carlos-carvalho

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *