quinta-feira , junho 22 2017
Inicio / Destaque / Encerramento do Ano Santo da Misericórdia. Paróquias de Mineiros se unem para uma garnde celebração

Encerramento do Ano Santo da Misericórdia. Paróquias de Mineiros se unem para uma garnde celebração

Centenas de fiéis participaram, na tarde do dia 20 de novembro (domingo), das atividades de encerramento do Jubileu Extraordinário da Misericórdia, o ano santo instituído pelo Papa Francisco e que compreende o período entre 8 de dezembro de 2015 e 20 de novembro de 2016. Dentre as atividades deste dia, aconteceu uma procissão penitencial, com saída às 15:00 hs da Igreja São Bento, passando por diversas ruas de Mineiros. No decorrer deste percurso aconteceram várias paradas, em pontos específicos, para reflexões sobre as 14 obras de misericórdia, feitas por diversos leigos das duas paróquias.

A procissão terminou no Pavip (Pavilhão Paroquial), onde D. Vinícius, pároco da Paróquia São Bento, celebrou a santa missa, concelebrada por Pe. Rosimar, Pe. Pedro, D. Rui, D. Josias e Diac. Antônio César. Pela tradição católica, foi concedido o perdão aos fiéis arrependidos de seus pecados.

As indulgências são recebidas após a passagem pela “Porta Santa”. A expressão se refere às quatro portas santas das basílicas papais: São Pedro, São João de Latrão, Santa Maria Maior e São Paulo Fora dos Muros, que ficam sempre fechadas e são abertas somente por ocasião de um Ano Santo. Por determinação do Papa Francisco, pela primeira vez na história da Igreja, os fiéis não precisaram ir a Roma para receber as graças jubilares, podendo ir a qualquer diocese, catedral, ou paróquia determinada.

A Igreja Católica deu início à tradição do Ano Santo em 1300, durante o pontificado do Papa Bonifácio VIII. Desde 1475, um jubileu ordinário ocorre a cada 25 anos. Ocasionalmente, no entanto, o papa pode instituir um ano extraordinário da misericórdia. Este é o terceiro em toda a história da Igreja, tendo os dois primeiros sido proclamados em 1933, pelo Papa Pio XI, por ocasião do 19º Centenário da Redenção, e em 1983, pelo papa João Paulo II, pelos 1950 anos da Redenção.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *